"Dai-me cem pregadores que nada temam senão o pecado, e nada desejam senão a Deus, e não me importaria se fossem clérigos ou leigos. Com eles eu sacudiria as portas do inferno e estabeleceria o Reino de Deus na terra."


John Wesley

23 de abr de 2009

Cristãos palestinos falam sobre o conflito em Gaza

"Busquem a prosperidade da cidade para a qual eu os deportei e orem ao Senhor em favor dela porque a prosperidade de vocês depende da prosperidade dela." Jeremias 29.7
PALESTINA (42º) - "Todos sofrem, mas compadeço-me em especial das crianças durante esse momento difícil”, disse um líder cristão, compartilhando com a Portas Abertas sobre a situação caótica em Gaza.
Ele disse: "As crianças acordam no meio da noite, chorando ou gritando de medo com as memórias que voltam à sua mente. Num confronto anterior, caiu um foguete bem em frente à nossa casa. Muitas crianças foram traumatizadas por conflitos anteriores em Gaza. Elas viram corpos espalhados nas ruas em que costumavam brincar. Agora, tudo acontece de novo".
O líder da Igreja acrescenta: "O barulho dos bombardeios é aterrorizante. Às vezes, chamo-os de ‘a grande voz’ porque são contínuos. Você sempre ouve o barulho e nunca sabe qual edifício será o próximo a ser atingido".
Em um e-mail, Suhad Massad, esposa de pastor Hanna Massad e líder do ministério da Sociedade Bíblica em Gaza, escreveu: "A igreja (Batista de Gaza) foi danificada quando a delegacia em frente ao prédio da igreja foi bombardeada. Nesse ataque, 40 pessoas morreram, mas a Igreja só teve alguns danos. As janelas da biblioteca quebraram, mas nenhum membro da igreja se machucou".
O andar térreo do prédio da igreja (que tem mais cinco andares) foi danificado pela explosão. O líder cristão acrescenta: "Felizmente, nenhum membro da igreja foi ferido, pois todos estavam em casa. Quase ninguém tem coragem de sair de casa, não se atrevem a ir a qualquer lugar”.
Estima-se que há atualmente 2.500 cristãos em Gaza. Em dezembro, muitas famílias tentaram sair da cidade para visitar parentes e amigos na Cisjordânia, a fim de celebrar o Natal e fugir do conflito. Mas, de acordo com Suhad Massad: "Só os idosos receberam autorização para sair. Muitas pessoas de 18 a 35 anos não puderam deixar Gaza. Por isso, várias famílias estão separadas, o que é muito difícil. Pauline Ayyad (viúva de Rami Ayyad, gerente da Sociedade Bíblica de Gaza, morto em 7 de outubro de 2007) e seus filhos saíram da cidade em 27 de dezembro, e estão na Cisjordânia no momento".
O outro cristão comenta: "Os que estão em Gaza, por vezes, não têm idéia do que está acontecendo. Muitas vezes ficam sem energia elétrica e, conseqüentemente, sem rádio, televisão ou internet. As pessoas telefonam para familiares e amigos que vivem fora de Gaza para se manterem atualizado sobre a situação da própria cidade".
Nova ofensiva na Faixa de Gaza. No dia 2 de fevereiro, foguetes disparados pelo Hamas ao sul do território israelense reacenderam os ataques de Israel à Gaza. Após 22 dias de conflitos, durou pouco a trégua iniciada em 18 de janeiro. A população continua sofrendo com a violência retomada em Gaza, além de conviver com a falta de emprego, moradia, e um forte sentimento de insegurança. As crianças estão traumatizadas pelas crueldades que vivenciaram e que ainda acontecem na região.
Portas Abertas auxilia iniciativa da Sociedade Bíblica da Palestina.
A Portas Abertas, em parceria com a Sociedade Bíblica Palestina, está apoiando o programa ‘Ame o próximo. Conforte o meu povo’. Um programa que visa atender as pessoas mais carentes em Gaza. Leia mais sobre o projeto e continue a orar pela paz no local.
Relembre o início do conflito.
No dia 27 de dezembro passado, Israel iniciou o ataque contra as instalações do grupo radical Hamas em Gaza. Após uma trégua de seis meses, o Hamas rompeu o cessar-fogo em 19 de dezembro e intensificou o lançamento de foguetes ao sul do território israelense.
As autoridades de Israel, por sua vez, justificaram a intervenção militar na Faixa de Gaza como reação aos disparos de foguetes feitos pelo Hamas contra seu território. A ação foi considerada um dos mais violentos ataques de Israel contra a Faixa de Gaza desde a Primeira Intifada (revolta), que se deu entre 1987 e 1991. O saldo, até o cessar fogo foi de, aproximadamente, 700 mortos e milhares de feridos. Os países que enviaram ajuda para as vítimas, o fizeram com muita dificuldade.
Essas notícias ocuparam os noticiários, mostrando cada detalhe do conflito e a mobilização internacional. No entanto, o objetivo da Portas Abertas foi trazer informações sobre nossos irmãos, cristãos palestinos, os quais sofrem com o conflito, e são discriminados tanto por palestinos radicais como israelenses. Essa condição diminuiu ainda mais as opções de socorro em meio ao caos que se instalou em Gaza.
Os cristãos palestinos precisam da sua oração!
Inclua-os em suas orações, desafie sua igreja e amigos a fazerem o mesmo. Ore para que nossos irmãos palestinos encontrem paz no Senhor e sejam fortalecidos a ter bom ânimo para atravessar esse momento de grande aflição.
Abaixo, você pode ler os pedidos de oração, as notícias sobre a situação desses irmãos e o depoimento de um líder cristão da Igreja em Gaza.Em nome dos cristãos palestinos, muito obrigada.
Missão Portas Abertas Pedidos de oração:
* Ore pelo cessar-fogo definitivo e para que paz duradoura venha sobre a região.
* Ore por todos os que participam das negociações políticas, para que tenham sabedoria e compromisso com a paz.
*Interceda pelo fim da guerra entre Israel e Palestina. Peça que as famílias possam ser reunidas.
*Interceda pela Igreja Batista em Gaza para que seus membros continuem fiéis e que o prédio não seja destruído.
*Ore para que as sementes que o Irmão André lançou entre os integrantes do Hamas e de outros grupos militantes frutifiquem.

Deixe a sua opinião sobre este conflito nos "comentários" - Você é a favor desta guerra entre Palestino e Israelenses?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
©2009 ** Por ADILINHA